• Mundial Sub 21 masculino: Brasil passa pelo Japão e segue invicto

    Créditos: FIVB

    Redação

    Na manhã deste domingo (25.06), a seleção brasileira masculina sub 21 venceu o Japão (25/23, 25/20 e 25/21), em partida realizada na Budvar Arena, em Ceske Budejovice, na República Tcheca. Foram três vitórias e sem perder um set sequer, garantindo a liderança do grupo D.

    Já garantido na segunda etapa da competição, o treinador Nery Tambeiro aproveitou o duelo contra os japoneses e deu ritmo de jogo aos atletas que participaram menos nas partidas anteriores. Mesmo assim, o ritmo da equipe não diminuiu. O oposto Davy foi o principal destaque e anotou 17 pontos.

    “Nós preparamos cada jogador nosso para este jogo, os japoneses são muito guerreiros. Foi um jogo parelho. Após o final do primeiro set vimos que era preciso dar ainda mais de nós mesmos em quadra. Tínhamos certeza de que esta partida seria uma batalha, e ao longo dos sets encontramos nosso caminho e impusemos o nosso ritmo”, contou Nery.

    O Brasil entrou em quadra com o levantador Matheus Brasília, o oposto Roque, os centrais Gabriel Bertolini e Daniel Mascarenhas, os ponteiros Birigui e Alexandre Elias, e o líbero Maique. Entraram Luís Rodrigues, Davy, Pablo Natan e Barreto. Agora o time brasileiro só entra em quadra na próxima terça-feira (27.06), mas aguarda ainda o encerramento da rodada para conhecer os adversários da segunda fase.

    O Mundial Sub-21 masculino tem a participação de 16 equipes divididas em quatro grupos (A, B, C e D) com quatro seleções, que jogarão entre si. Os dois melhores de cada grupo passam para a fase seguinte, que reunirá os oito times restantes e dois grupos de quatro (E e F), com nova sequência de jogos entre os componentes de cada grupo. As semifinais serão entre os dois melhores de cada chave. O evento acontece entre 23 de junho e dois de julho nas cidades de Brno e Ceske Budejovice, na República Tcheca.

    Criado em 1977, o Mundial Sub-21 masculino de voleibol chega à décima nona edição. A Rússia é a recordista de títulos com dez ouros (incluídas as conquistas da era da União Soviética). O Brasil tem 13 medalhas e é o segundo maior vencedor (quatro ouros, seis pratas e três bronzes).

  • Copel Telecom Maringá Vôlei confirma mais dois reforços para a Superliga 2017/2018

    Créditos: Rodrigo Araújo

    Fonte: Rodrigo Araújo – Assessoria de Imprensa Maringá Vôlei

    O Copel Telecom Maringá Vôlei continua se reforçando para a Superliga 2017/2018 e desta vez a diretoria anunciou mais duas contratações, trata-se de Daniel Rossi, líbero que estava no Bento Vôlei e Wennder, central que disputou a última temporada pelo São Bernardo.

    De acordo com a Daniel Rossi, a chegada ao Copel Telecom Maringá Vôlei é vista com muita alegria e como mais um desafio em sua carreira. “Eu estou muito feliz por essa minha contratação, por mais essa oportunidade em um grande clube com um projeto muito bacana e com certeza é mais um desafio em minha carreira. Já joguei com alguns atletas que foram confirmados, mas cada ano é uma história nova. Quero colaborar bastante, me dedicar e alcançar os objetivos iniciais da equipe que é a classificação para os play-offs” disse o novo líbero do time maringaense.

    Já o central Wennder destaca a força da torcida maringaense e a ansiedade em jogar em Maringá. “As expectativas são as melhores possíveis e estou ansioso em fazer parte desse projeto vitorioso com uma torcida muito grande e que apoia muito o time. Quero muito conquistar essa torcida, pois quando fui jogar em Maringá por outras equipes vi como é bonita a festa que ela faz no Chico Neto” comentou o atleta de 2,05 m de altura.

    A diretoria ainda corre atrás de reforços e o supervisor Junior Panza explica que o perfil da equipe para essa temporada será mais jovem em relação aos últimos anos. “Esse ano nós decidimos apostar em um time mais jovem com atletas que foram revelações em suas equipes, mas ainda buscamos pelo menos uma ou duas peças mais experientes. Na próxima semana teremos novidades, mas ainda aguardamos a definição de alguns patrocinadores para confirmarmos a verba que teremos para a temporada”,  explicou Panza.

    Com a confirmação dos dois jogadores, ao todo já são dez atletas contratados e a expectativa é que a apresentação para o início dos treinamentos seja na primeira quinzena de julho, ainda sem data definida.

  • Dentil/Praia Clube apresenta elenco para a temporada 2017/2018

    Créditos: Dentil/Praia Clube

    Fonte: Cairo Cesar Filho – Assessoria Praia Clube

    O Dentil/Praia Clube apresentou oficialmente, o elenco para a temporada 2017/2018 da Superliga Feminina de Vôlei. As ausências foram a oposta norte-americana Nicole Fawcett, a bicampeã olímpica Fabiana Claudino e a também medalhista de ouro em Londres 2012, Fernanda Garay, que se apresentam em breve.

    O novo comandante do Dentil/Praia Clube, Paulo do Rego Barros Júnior (Paulo Coco), de 50 anos, mostrou-se otimista com a temporada e satisfeito com o grupo que terá em mãos. “Vamos trabalhar muito. Iniciamos uma nova jornada nesta data e temos uma boa parte planejada daquilo que faremos ao longo do ano. Esse primeiro momento de preparação básica, por sinal, é de suma relevância para colhermos os frutos lá na frente. Há algum tempo, o Dentil/Praia Clube é referência no voleibol nacional pela excelente estrutura e desempenho dentro das quadras de vôlei nos quatro cantos do país e até no exterior. Um projeto alicerçado em valores e princípios que estimo bastante”, contou o treinador.

    A capitã Walewska Oliveira, que vestirá a camisa do Praia pela terceira vez seguida, comentou: “Energia renovada após as férias e com o pensamento de construir uma nova história com este grupo. Novo comando, novas atletas e o mesmo objetivo. O Paulo Coco é um técnico que dispensa apresentações, muito competente. Vamos trabalhar desde o primeiro dia de uma forma coesa para alcançarmos as nossas metas”, disse a central.

     

    Confira o plantel do Dentil/Praia Clube para a temporada 2017/2018:

    Técnico: Paulo do Rego Barros Júnior (Paulo Coco)

    Líberos: Suelen Fernanda Santana Pinto e Laís Zurli Bittencourt Vasques

    Levantadoras: Cláudia Bueno da Silva e Ananda Cristina Marinho

    Centrais: Walewska Moreira de Oliveira, Fabiana Marcelino Claudino e Natasha Odara Azevedo Cruz Farinea

    Ponteiras: Fernanda Garay Rodrigues, Amanda Juliana Campos Francisco, Carla Ferreira Santos e Ellen Vilas Boas Braga

    Opostas: Nicole Marie Fawcett e Andréia Cozzi Sforzin

  • Mari Paraíba chega ao Vôlei Nestlé em busca de seu primeiro título da Superliga

    Fabíola e Mari jogaram juntas na Suíça
    (João Pires/Fotojump)

    Fonte: ZDL – Rafael Zito

    A pequena Mariana Andrade Costa deixou a segurança da casa dos pais, em Campina Grande, para perseguir um sonho. Reuniu toda a coragem dos seus 14 anos e desembarcou em Osasco para se tornar uma jogadora de vôlei. Começou na categoria infantil e, ainda juvenil, defendeu o time adulto em duas campanhas que resultaram na medalha de prata da Superliga nas temporadas 2005/06 e 2006/07. Dez anos depois, agora conhecida nacional e internacionalmente como Mari Paraíba, a ponteira está de volta à cidade onde tudo começou. Chega para reforçar o Vôlei Nestlé com a determinação de conquistar a medalha que lhe falta no Brasil. “Esse é meu maior objetivo. Vou dar o máximo para conquistar esse título para a equipe e para a torcida.”

    O tamanho da emoção ao retornar ao ginásio José Liberatti pode ser dimensionada pela reação de Mari ao recordar os primeiros passos na carreira. “No começo é sempre um pouco difícil, até acostumar. Foi minha primeira vez fora de casa, mas eu tinha o sonho de me tornar atleta, até porque na Paraíba o incentivo era muito fraco e a gente precisava sair. Agora, me sinto voltando para casa. Estou muito feliz, afinal, foi aqui onde os sonhos começaram a virar realidade. Naquela idade eu sonhava, mas não imaginava estar onde estou hoje”, conta a jogadora, com voz embargada e se esforçando para conter as lágrimas. “Aqui sempre fui bem tratada, acolhida e muito bem trabalhada desde as categorias de base”, completa.

    Mari chega para acrescentar variação no ataque e qualidade no passe do Vôlei Nestlé. E traz na bagagem a experiência internacional adquirida na recente passagem pelo Volero Zurich, com o qual conquistou a medalha de prata do Mundial de Clubes, disputado em maio, no Japão. “Sempre desejei ter experiência internacional. E defender um ótimo clube, com grandes jogadoras, me permitiu absorver o máximo nos treinos e campeonatos fortes, como a Liga dos Campeões. Eu não era titular, mas sempre entrava bem em quadra e fazia a minha parte. Foi uma oportunidade incrível que me elevou a outro nível psicológico e emocional. Volto amadurecida como atleta e pessoa”, conta a ponteira de 1,80 metro de altura.

    Em casa – No Vôlei Nestlé, Mari terá um motivo a mais para se sentir em casa. A ponteira vai reeditar a parceria recente com a levantadora Fabíola. As duas disputaram a temporada passada pelo Volero e chegaram a morar juntas na Suíça. “O engraçado é que pouco jogamos juntas, porque, quando eu entrava, ela saia na inversão do 5 x 1. Mas fortalecemos muito nossa amizade. Não é facil ficar longe do seu país, familia e amigos. E tive sorte por ter a Fabíola e sua familia a meu lado. Isso foi um suporte enorme. Agora estaremos juntas aqui no Brasil para trazer muitas alegrias para o torcedor, para nossas novas companheiras e patrocinador”, completa.

    A paixão de Mari pelo vôlei vem de família. Sua mãe, Célia, era professora de educação física e sempre incentivou os filhos a jogar (o irmão, Daniel Gramignolia, foi levantador de grandes equipes, como o Cruzeiro). Os primeiros toques e manchetes foram dados aos 10 anos de idade, em Campina Grande. Talentosa desde cedo, aos 14 já atuava na equipe infantil de Osasco. Como atleta adulta, defendeu também os times de São Caetano, Pinheiros, Macaé, Teuto-GO e Minas, até se transferir para o Volero Zurich. “Minha mãe sempre nos incentivou e apesar de não ser fácil para a família, o fato de meu irmão ter saído de casa um ano antes para jogar em São Paulo, ajudou muito nessa fase de mudança. Graças a Deus, comigo deu tudo certo”, conta.

  • Vôlei de Praia: Maria Elisa e Carol Solberg ficam com o ouro em Haia

    Créditos: GettyImage/FIVB

    Redação

    Neste domingo (18.06), Maria Elisa e Carol Solberg (PE/RJ) conquistaram a medalha de ouro ao vencerem na decisão a dupla suíça Heidrich/Vergé-Dépré por 2 sets a 0 (21/17 e 21/11).

    Este foi apenas o segundo evento da dupla, que precisou jogar o Country Quota (disputa entre duplas do mesmo país por uma vaga no campeonato), e o torneio de qualificação para então alcançarem a chave principal. Por isso, para chegarem à medalha de ouro, elas precisaram jogar três partidas a mais que as adversárias da final.

    “Estamos muito felizes. Viemos jogando desde o Country Quota, então foi uma semana muito longa para nós. A gente fica até meio confusa, porque é uma mistura de felicidade e cansaço. Mas é sempre bom jogar aqui na Holanda, então vamos comemorar. Agradeço ao nosso time e ao nosso técnico”, disse Carol Solberg.

    Na partida contra as suíças, as meninas do Brasil dominaram as ações desde o começo. O saque de Maria Elisa e o bloqueio de Carol deram muito trabalho às adversárias, que, no segundo set, tiveram muitas dificuldades com o passe. Após o último ponto, Maria comemorou com a torcida, inclusive com algumas palavras em holandês.

    Na disputa pelo bronze também deu Brasil. Ágatha e Duda (PR/SE) venceram Sarah Pavan e Melissa Humana-Paredes, do Canadá, por 2 sets a 1 (16/21, 21/13 e 15/11).

    Esta é a nona etapa da temporada 2017 do Circuito Mundial, sendo a quarta na categoria três estrelas, que distribui 150 mil dólares em prêmios aos atletas. Neste ano os eventos são elencados de uma a cinco estrelas, de acordo com a importância, pontuação e premiação.

    Nos sete torneios realizados em Haia, todos com competição nos dois naipes, o Brasil conquistou nove ouros (três com os homens e seis com as mulheres).

    O Brasil soma nove medalhas em quatro etapas disputadas no tour (veja a lista abaixo) e lidera o ranking feminino: Ágatha/Duda e Larissa/Talita somam 2.120 pontos, com Fernanda/Bárbara Seixas em terceiro, com 1.600 pontos. No naipe masculino, Álvaro Filho e Saymon são os vice-líderes, com 1.700 pontos, 80 a menos que os russos Liamin/Krasilnikov.

    BRASIL NO CIRCUITO MUNDIAL 2017

    Etapa Fort Lauderdale (EUA) – 5 estrelas
    Álvaro Filho/Saymon – ouro
    Larissa/Talita – ouro
    Evandro/André Stein – prata
    Ágatha/Duda – prata

    Etapa Xiamen (China) – 3 estrelas
    Fernanda Berti/Bárbara Seixas – ouro

    Etapa Rio de Janeiro (Brasil) – 4 estrelas
    Alison/Bruno Schmidt – ouro
    Ágatha/Duda – ouro

    Etapa Moscou (Rússia) – 3 estrelas
    Larissa/Talita – ouro
    Ágatha/Duda – bronze

    Etapa Haia (Holanda) – 3 estrelas

    Maria Elisa/Carol Solberg – ouro

    Ágatha/Duda – bronze

  • Liga Mundial: Brasil é superado pela Argentina

    Créditos: Divulgação/FIVB

    Redação

    A seleção brasileira masculina de vôlei até que começou bem, venceu o primeiro set, mas não conseguiu superar a Argentina, que jogou em casa, diante de 13.150 pessoas, no ginásio Orfeo Superdomo, em Córdoba. No segundo jogo da terceira semana da Liga Mundial, na noite deste sábado (17.06), a equipe do Brasil foi superada por 3 sets a 1, com parciais de 25/19, 21/25, 22/25 e 19/25.

    A seleção dirigida pelo técnico Renan Dal Zotto já volta à quadra neste domingo (18.06), quando tentará a recuperação diante da Sérvia. O confronto contra os atuais campeões da Liga Mundial será às 16h10 e terá transmissão ao vivo dos canais SporTV.

    Neste sábado, mesmo com o resultado negativo do Brasil, o oposto Wallace foi o maior pontuador da partida, com 18 acertos. O ponteiro Lucarelli também teve boa pontuação, marcando 15 vezes. Pela Argentina, Solé e Ramos marcaram 13 pontos cada um.

     

    Após a etapa da Argentina, terceira e última da fase classificatória, a seleção brasileira seguirá em preparação final para fazer a Fase Final em casa. Os jogos serão no Estádio Atlético Paranaense, em Curitiba, de 4 a 8 de julho, e os ingressos estão à venda através do site http://www.ingressoscap.com.br/.

     

    EQUIPES

    BRASIL – Bruno, Wallace, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli e Maurício Borges. Líbero – Tiago Brendle

    Entraram – Raphael, Evandro, Lipe, Éder

    Técnico: Renan Dal Zotto

    ARGENTINA – De Cecco, Ramos, Toro, Poglajen, Solé, Crer. Líbero – Fernandez

    Entraram – Gonzalez, Johansen, Bruno, Zanotti, Cavanna

    Técnico: Julio Velasco

  • Mundial Sub 21 masculino: Brasil faz segundo amistoso contra EUA em Lake Placid

    Créditos: CBV

    Redação

    No segundo dia de amistosos em Lake Placid (EUA) a seleção masculina Sub-21 do Brasil foi superada pelos EUA, neste sábado (17.06). A equipe brasileira perdeu por 3 sets a 0 (21/25, 15/25 e 23/25). No entanto, as comissões técnicas de ambos times decidiram por um set extra, que foi vencido pelos brasileiros por 25/23. O time comandado pelo técnico Nery Tambeiro está em fase final de preparação para o mundial da categoria, que acontece entre 23 de junho e 2 de julho na República Tcheca. 

    O Brasil ainda fará mais duas partidas com os norte-americanos. Os jogos acontecem em um dos centros de treinamento do Comitê Olímpico local. No jogo deste sábado o time brasileiro começou com a mesma foramção da partida anterior com o levantador Matheus Brasília, o oposto Roque, os ponteiros Honorato e Victor, os centrais Bertolini e Barreto, e o líbero Maique. Ao longo da partida entraram o oposto Davy e os ponteiros Pablo e Alexandre.

  • Vôlei de Praia: Maria Elisa/Carol Solberg avança para as oitavas

    Carol Solberg e Maria Elisa venceram os dois jogos do dia
    Créditos: GettyImage/FIVB

    Redação

    O começo na etapa holandesa do Circuito Mundial 2017, em Haia, não foi exatamente conforme o esperado paras as duplas brasileiras no torneio feminino. Das quatro representantes do Brasil, apenas Maria Elisa/Carol Solberg (PE/RJ) conseguiu as duas vitórias no primeiro dia de competição da chave principal, nesta quinta-feira (15.06). Com o resultado a parceria recém-formada conseguiu classificação direta para as oitavas.

    Maria Elisa e Carol, que vieram do torneio de qualificação, estrearam com vitória apertada sobre a dupla da Finlândia Lahti/Parkkinen por 2 sets a 1 (21/17, 20/22 e 15/11), na primeira rodada do grupo B. Na partida seguinte conseguiram um placar mais tranquilo contra Strbova/Dubovcova (EVQ), 2 sets a 0 (21/16 e 21/10). Elas agora aguardam os resultados da repescagem, que acontece nesta sexta-feira (16.06), para conhecer as adversárias das oitavas de final.

    As demais duplas do Brasil venceram na primeira partida que jogaram, mas sofreram o revés na rodada seguinte. Portanto, precisarão vencer na repescagem para seguirem na briga por medalhas em Haia.

    As tricampeãs brasileiras Larissa e Talita (PA/AL) começaram bem no grupo A ao baterem Mouha/Grelen (BEL), por 2 sets a 0 (21/18 e 21/15). Em seguida elas foram superadas pela dupla suíça Heidrich/Vergé-Dépré também em dois sets (21/23 e 17/21).

    No grupo D, Ágatha e Duda (PR/SE) levaram a melhor sobre Artacho del Solar/Ngauamo (AUS) por 2 sets a 0 (21/13 e 21/16). Mas não mantiveram o ritmo na sequência e acabaram perdendo para as norte-americanas Hochevar e Day por 2 sets a 0 (15/21 e 17/21).

    A última parceria brasileira a entrar em ação nesta quinta-feira foi Bárbara Seixas e Fernanda Berti (RJ) que, jogando pelo grupo F, venceram Lunde/Ulveseth (NOR) por 2 sets a 0 (21/17 e 21/14). E, mais tarde, não conseguiram superar as australianas Bawden e Clancy que conseguiram a virada por 2 sets a 1 (21/12, 14/21 e 9/15).

     

  • Montes Claros Vôlei fecha com central cubano

    Créditos: Divulgação

     

    Redação

    A equipe mineira do Montes Claros Vôlei confirmou a contratação do central cubano Isbel Mesa. O atleta, de 28 anos, com 2,03 metros, estava no Taubaté nas duas últimas temporadas, porém, por conta de uma sanção imposta ao se desvincular da seleção cubana, precisou ficar dois anos sem disputar qualquer partida de campeonatos federados; ele voltou a jogar em outubro de 2016 pelo clube paulista.

    Além de Isbel Mesa, o Montes Claros Vôlei contará com outro estrangeiro para a próxima temporada, o ponteiro argentino Lisandro Zanotti.

    O cubano, que já disputou a Liga Mundial e Jogos Pan-Americanos pela seleção de seu país, optou por deixar Cuba no final de 2014, seguindo exemplo de outros atletas do país, como o ponteiro Leal e o central Simon, destaques do Cruzeiro e que estão se destacando no voleibol brasileiro. 

  • Vôlei de Praia: Duplas masculinas estreiam com três vitórias na Holanda

    George enfrenta o bloqueio canadense
    Créditos: GettyImage/FIVB

    Redação

    Enquanto a maior parte dos brasileiros fãs de vôlei de praia aproveitavam o feriado desta quinta-feira (15.06), do outro lado do Atlântico algumas das principais duplas da modalidade estreavam na chave principal da parada holandesa do Circuito Mundial 2017, em Haia. No naipe masculino, das quatro formações brasileiras, três saíram de quadra com resultados positivos no jogo de estreia.

    A competição, que é de categoria três estrelas, contou com rodada única entre os homens. Álvaro Filho/Saymon (PB/MS), George/Vítor Felipe (PB) e André/Evandro (ES/RJ) largaram bem, enquanto Pedro Solberg/Guto (RJ) enfrentou dificuldades na primeira partida.

    Atuais campeões brasileiros, Álvaro e Saymon, cabeças de chave do grupo C, venceram a dupla da casa Varenhorst/van Garderen por 2 set a 0 (23/21 e 21/14). O próximo compromisso será contra os medalhistas de ouro no Pan-Americano de Toronto 2015, Virgen e Ontiveros, do México, nesta sexta-feira (16.06). O vencedor do duelo avançar em primeiro lugar e terá vaga direta às oitavas de final.

    Pelo grupo D, Evandro e André levaram a melhor sobre o time da Eslovênia formado por Zemljak e Pokersnik, placar de 2×0 (21/17 e 21/19). Eles voltarão à quadra na sexta-feira para enfrentar Beeler/Krattiger, da Suíça, pela liderança da chave.

    A parceria recém-formada entre os paraibanos Vítor Felipe e George, que conquistaram um lugar na chave principal após classificação no torneio qualificatório, também fez bonito e passou pelos canadenses Pedlow e Schachter com vitória no tiebreak (21/16, 19/21 e 15/12). Agora eles enfrentarão Winter/Seidl (AUT).

    A única parceria brasileira a sofrer revés na primeira rodada foi Pedro Solberg e Guto, que foram superados por Perusic e Schwiner, da República Tcheca por 2 sets a 1 (17/21, 21/19 e 12/15). Eles tentarão se recuperar contra Rudol/Szalankiewicz (POL). Em caso de nova derrota, darão adeus ao torneio.

    Esta é a nona etapa da temporada 2017 do Circuito Mundial, sendo a quarta na categoria três estrelas, que distribui 150 mil dólares em prêmios aos atletas. Neste ano os eventos são elencados de uma a cinco estrelas, de acordo com a importância, pontuação e premiação.

    Nos sete torneios realizados em Haia, todos com competição nos dois naipes, o Brasil conquistou nove ouros (três com os homens e seis com as mulheres).