• Copa Libertadores 2018 masculina: Sesi-SP vence EMS Taubaté Funvic

    Créditos: Divulgação Sesi-SP

    Fonte: Amanda Demétrio – Agência Indusnet Fiesp

    No quarto encontro com a equipe do Vale do Paraíba na temporada 2018/19, o time masculino de vôlei do Sesi-SP levou a melhor no confronto válido pela Copa Libertadores 2018. O grupo comandado pelo técnico Rubinho fez bonito no ginásio do Abaeté na noite desta quarta-feira (14 de novembro) e com o placar de 3 sets a 0 (21/25, 21/25 e 18/25) sobre o EMS Taubaté Funvic, finalizou a primeira fase da competição com seis pontos em duas vitórias e uma derrota.

    Com uma vitória contra o Libertad e um revés para o UPCN, o Sesi-SP precisava do resultado positivo contra o grupo de Taubaté para se manter nas primeiras colocações e seguir na briga por uma vaga na fase final do torneio sul-americano, já que a equipe adversária já possuía duas vitórias. E foi o que fez.

    Os comandados do técnico Rubinho iniciaram atrás nas duas primeiras parciais, sofreram com a força do Taubaté, mas com calma e um bom entrosamento, buscaram não só o empate como a virada, abrindo 2 a 0 com duplo 21/25. No terceiro set o Sesi-SP iniciou melhor e abriu 4 a 0 logo de cara, forçando o técnico adversário a pedir tempo.

    Mesmo com a entrada do levantador Rapha e do ponteiro Douglas Souza, o time do Vale do Paraíba não conseguiu superar as boas viradas de bola do grupo da capital paulista. Éder pelo lado do Sesi-SP deu trabalho no saque e aumentou ainda mais a diferença. Alan Patrick ajudou a fechar o fundo de quadra nas defesas e rendeu pontos importantes no contra-ataque, levando o time a uma vitória importante.

    “Fizemos um jogo mal contra o UPCN, não conseguimos imprimir um bom ritmo, eu particularmente também não consegui dar o meu melhor, e hoje foi diferente, conseguimos fazer um trabalho bem feito. O grupo entrou bem, confiante. Nosso saque entrou, nossa defesa funcionou, o contra-ataque, então posso dizer que hoje foi uma vitória completa, fizemos tudo o que foi estudado”, comentou o ponteiro Alan Patrick ao final da partida.

    O Sesi-SP entrou em quadra com o levantador William, o oposto Alan Souza, os centrais Éder e Gustavão, os ponteiros Renato e Alan Patrick e o líbero Murilo. Entraram Franco, Evandro, Barreto. Entre os destaques de partida, o oposto Alan Souza ficou com a artilharia ao marcar 14 pontos, seguido do ponteiro Renato com 12.

    Criado para ser um campeonato altamente competitivo, o torneio, uma iniciativa da Associação de Clubes da Liga Argentina de Vôlei (ACLAV) e da Associação de Clubes de Voleibol Brasileira (ACV), e aprovada pela Confederação Sul-Americana de Voleibol (CSV), conta nesta primeira edição com os quatro primeiros clubes ranqueados na última Superliga e os quatro melhores do voleibol argentino. Pelo Brasil participam Sada Cruzeiro, Sesi-SP, Sesc-RJ e EMS Taubaté Funvic, os representantes argentinos confirmados são UPCN, Bolivar, Ciudad Voley e Libertad.

    Com confrontos internacionais de ida e volta e os duelos entre as equipes do mesmo país em jogo único, o Sesi-SP encerra nesta semana sua primeira fase na competição fora de casa. Em janeiro acontecem os jogos de volta, e na fase final, que acontece em fevereiro, os dois primeiros times de cada grupo se enfrentam em jogo único, em local a ser definido. A decisão também será em partida única.

    Jogos de ida (grupo B):

    • 05/11 – 19h, em San Juan: Libertad 0 x 3 SESI-SP
    • 06/11 – 21h, em San Juan: UPCN 3 x 0 SESI-SP
    • 14/11 – 20h, em Taubaté: Taubaté 0 x 3 SESI-SP
  • Superliga Cimed 2018/2019 masculina: Sada Cruzeiro recebe o Caramuru Vôlei nesta sexta-feira, 16/11, em Contagem

    Créditos: Agênciai7

    Redação

    O Sada Cruzeiro se despede de sua torcida nesta sexta-feira, 16/11, às 20h, no ginásio do Riacho, em Contagem, onde a equipe faz sua última partida pela Superliga Cimed 2018/19, antes de viajar para o Mundial de Clubes, na Polônia. O jogo no Riachão será contra o Caramuru Vôlei, válido pela quarta rodada, no entanto esta já será a sexta partida do time azul na competição nacional.

    Com quatro vitórias em cinco jogos disputados – dois a mais que a maioria dos clubes – o Sada Cruzeiro lidera a tabela de classificação da Superliga, com 11 pontos. E em casa, diante da sua torcida, o elenco estrelado vai em busca de mais um resultado positivo contra a equipe paranaense.

    “A gente tem que entrar em quadra e jogar o nosso melhor nesse jogo em Contagem. Precisamos conseguir manter uma regularidade, com um bom nível de ataque, contra-ataque, trabalhando bem o saque. Tivemos um crescimento nas últimas partidas e precisamos continuar assim, pensando neste confronto e também na sequência, no Mundial de Clubes, que já está aí”, afirmou o central Isac.

    Na décima colocação com um ponto conquistado nos três jogos realizados – na última rodada, a equipe paranaense fez tie break contra o forte time do Sesi-SP – o Caramuru Vôlei está motivado. O central Matheus garante que seu time chega a Contagem para buscar o resultado positivo.

    “A tabela para nós começou de cara com os quatro times mais fortes da Superliga Cimed no meu ponto de vista (EMS Taubaté Funvic, Sesc RJ, Sesi-SP e agora o Sada Cruzeiro), mas independente disso, encaramos todo jogo como final. A Superliga Cimed não espera e não dá tempo para erros. Assim como no último jogo, contra o Sesi-SP, vamos para cima em busca de sets e, quem sabe, da vitória. Sabemos da força de saque deles e das peças pontuais, mas estamos treinados e preparados para o confronto”, garantiu Matheus.

  • Paranaense 2018 feminino série A: Maringá/Unifamma/Amavolei garante vantagem

    A equipe maringaense saiu na frente na deicsão do campeonato.
    (Foto: Josi Schmidt/FPV)

    Fonte: Josi Schmidt/FPV

    Em um jogo muito disputado, Maringá/Unifamma/Amavolei conseguiu se impor e venceu o primeiro desafio da final do Campeonato Paranaense Adulto Série A feminino. A vitória por 3 a 1 foi sobre o São José dos Pinhais, com parciais de 25/23, 22/25, 25/12 e 25/20, nesta quarta-feira (14/11), no ginásio Ney Braga.

    Jogando em casa, a equipe são joseense dominou o primeiro set e só ficou atrás no placar quando Maringá fez 20 a 19 e depois finalizou. No segundo set, mais uma vez o time da casa triunfou e diante da torcida tirou a imunidade da equipe visitante que não havia perdido nenhum set no campeonato. O Maringá ressurgiu com mais eficiência e venceu com boa vantagem o terceiro set. Já o quarto set foi marcado pelo equilíbrio a equipe maringaense conseguiu manter a invencibilidade sem levar a partida para o tie-break.

    “São José é um time que estuda bastante o jogo. O Alex sabe montar a estratégia certa então nós sabíamos que viríamos para um jogo muito difícil. Elas arriscaram muito no saque o que desfavoreceu nosso contra-ataque. Além disso, viemos de uma sequência de jogos nos Universitários e elas sentiram o cansaço. Mas agora vamos descansar e começar a preparar para o segundo jogo que será outra pedreira”, afirmou o técnico do Maringá, Juliano Trindade.

    O técnico do São José, Alex Paiva, disse que foi um jogo muito estudado por ambas as equipes, que avaliaram muito bem suas adversárias, tentando minar os pontos fracos de cada uma. “No terceiro set tentei uma saída imaginando uma outra do Maringá e talvez eu tenha criado uma armadilha para nós mesmos. Foi um jogo extremamente detalhado e esses detalhes fazem a diferença. Maringá foi feliz nesse sentido e contou com a líbero Letícia que fez uma grande partida, jogou demais na troca de bola. Mas vamos para o próximo jogo, tentar ganhar e levar para o Golden set e buscar o título inédito.

    A partida final será no dia 25 de novembro, no ginásio Chico Neto, em Maringá. O horário do jogo ainda não foi definido.

    Formato de disputa
    As cinco equipes se enfrentaram em grupo único, jogando a fase classificatória em turno e returno. As quatro melhores campanhas avançaram para as semifinais e os vencedores disputam o título. A final é disputada em dois jogos e, caso cada equipe vença uma partida, um golden set definirá o classificado. 

    EQUIPES
    São José dos Pinhais: Gabriela, Juliana, Jennifer, Cibele, Nathália, Daniele, Emanuelle, Jéssica, Fabíola, Rayani, Maria Heloísa, Laynara e Mariana. Técnico: Alex Paiva.

    Maringá/Unifamma/Amavolei: Tanielly, Débora, Letícia, Laisa, Bruna, Cássia, Milla, Mayara, Beatriz, Ana Paula, Ana Cláudia e Isadora. Técnico: Juliano Trindade.

  • Superliga Cimed 2018/2019 masculina: São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão em busca da primeira vitória

    Créditos: Renan Bin/FollowX Comunicação

    Redação

    O São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão volta à quadra neste sábado, dia 17 de novembro, pela Superliga Cimed 2018/19. Com um ponto conquistado em três jogos, o Cavalo recebe o Copel Telecom Maringá Vôlei (PR),  no Ginásio Gavino Virdes, complexo esportivo da Cava do Bosque, em jogo programado para às 17h pela quarta rodada.

    As duas equipes possuem campanhas semelhantes neste início de competição – três derrotas, sendo uma no tie-break –, com o time paranaense ficando à frente por ter vencido um set a mais: 3 contra 2.

    “É um confronto direto e precisamos somar esses três pontos. Trabalhamos a semana inteira. Queremos fazer um bom jogo”, comentou o técnico Marcos Pacheco. O treinador poderá contar com o retorno do central Petrus, desfalque contra o Itapetininga e que está em processo final de recuperação de lesão.

    Os canais de comunicação do São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão (@VoleiRibeirao) farão o acompanhamento do jogo em tempo real através de Facebook, Instagram e Twitter.

  • Superliga Cimed 2018/2019 masculina: Confronto direto terá gosto especial para central do Vôlei Renata

    Créditos: Divulgação Vôlei Renata

    Redação

    O duelo direto contra o Sesc-RJ, no próximo sábado (17/11), será especial para um dos jogadores do Vôlei Renata. Destaque do time campineiro na temporada, o central Michel Saraiva atuará pela primeira vez como profissional ao lado da família e retornará ao ginásio do Tijuca, no Rio de Janeiro, onde começou a praticar o esporte,. 

    Natural do Rio de Janeiro, Michel começou a jogar vôlei aos 16 anos nas quadras do Tijuca Tênis Clube. Depois de encerrar as categorias de formação no clube carioca, o central seguiu sua carreira atuando por times como Maringá, Bento Vôlei e Canoas. 

    “Comecei até um pouco tarde, em 2009, mas o treinador Gilberto Bello, que está lá até hoje, acreditou em mim e me ensinou a jogar. Então, com certeza, estou bastante ansioso para voltar a pisar no ginásio que me deu oportunidade para desenvolver no esporte”, comentou o central. 

    Além de reencontrar o local onde começou, o central Michel também terá a oportunidade de atuar diante uma torcida especial: sua família. 

    “É a primeira vez que volto como profissional, então com certeza vai ter torcida sim. Minha família, meus amigos mais próximos vão estar lá. É uma emoção dupla. Primeiro por retornar, depois jogar para o pessoal da arquibancada. Vai ser muito emocionante”, concluiu o central. 

    Com um jogo a mais, o Vôlei Renata é o terceiro colocado da Superliga com nove pontos, mesma pontuação do Sesc, vice-líder. Os cariocas levam vantagem no saldo de sets, terceiro critério de desempate (9 a 3,33). As equipes se enfrentam às 19 horas.

  • Superliga Cimed 2018/2019 masculina: Corinthians-Guarulhos busca vitória contra Sesi-SP

    Créditos: Divulgação Corinthians-Guarulhos

    Redação

    Neste sábado (17/11), o Corinthians-Guarulhos entra em quadra pela quarta rodada da Superliga Cimed 2018/19 tentando a vitória contra o Sesi-SP, às 20h30, no Sesi Vila Leopoldina. O Timão tenta se recuperar depois de quatro resultados negativos ao enfrentar uma sequência de “pedreiras” contra os times: Fiat/Minas (MG), EMS Taubaté Funvic (SP), Sada Cruzeiro (MG) e Sesc-RJ (RJ).

    Para o técnico Gersinho, o time tem condições de fazer um bom jogo contra o Sesi-SP. “Treinamos muito para dar nosso melhor e evoluir no saque e em outros fundamentos que precisamos alinhar”, disse o técnico.

    A equipe sabe que será um jogo difícil, pois o time da Vila Leopoldina é o atual vice-campeão do Campeonato Paulista, da Superliga na temporada passada e segue invicto na competição até o momento.

  • Superliga Cimed 2018/2019 feminina: Sesc-RJ encara o Curitiba Vôlei em casa

    Créditos: Hérica Suzuki

    Redação

    A primeira rodada da Superliga Cimed feminina de vôlei 2018/2019 contará com o confronto entre Sesc RJ e Curitiba Vôlei (PR). O time paranaense fará sua primeira partida na elite do voleibol brasileiro. Esse duelo será nesta sexta-feira (16/11), às 21h30, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ), com transmissão ao vivo do SporTV 2.

    “Estou muito feliz de estrear pela Superliga Cimed. Sabemos quer vai ser uma competição extremamente difícil e estamos ansiosas para começar logo. Além dessa ansiedade natural pela estreia, vai ser logo contra o time de Curitiba. Fico muito feliz de ver um projeto da minha cidade voltando para a elite do vôlei. É muito bom ver um time competitivo voltando e é interessante para as crianças voltam a ter referência, poderem ver de perto e ter essa inspiração”, comentou Roberta.

    A levantadora do Sesc RJ espera por um confronto equilibrado. “Vai ser um jogo difícil. O Curitiba Vôlei conseguiu montar um time bacana, com mescla de atletas experientes e meninas novas. Fico muito honrada de poder voltar a jogar contra um time da minha cidade”, complementou Roberta, que entra em sua nona temporada sob o comando de Bernardinho.

    A equipe do Curitiba Vôlei chega para Superliga Cimed 18/19 através da classificação da Superliga B e chega entusiasmada. Segundo a experiente levantadora Ana Cristina, o grupo se preparou bem para fazer bonito em sua primeira participação na elite do voleibol brasileiro.

    “As nossas expectativas são as melhores possíveis. Trazer de volta Curitiba para a elite do vôlei e coincidentemente estreando contra a equipe que saiu daqui é uma responsabilidade grande. Estamos trabalhando bastante, mas sabemos do favoritismo do Sesc RJ, recém campeão carioca. Vamos fazer o nosso melhor com o objetivo de trazer de volta a paixão que o curitibano tem pelo voleibol”, disse Ana Cristina.

    A levantadora do Curitiba Vôlei ainda comentou sobre as perspectivas do seu time. “Queremos mostrar nosso trabalho, buscar nossa posição dentro dessa elite, que é tão difícil. Sabemos da dificuldade que vai ser essa competição, mas estamos com um time que quer fazer sua história na Superliga Cimed”, concluiu Ana Cristina.

  • Superliga Cimed 2018/2019 feminina: Campeão Paulista estreia em casa contra o Barueri

    Arlene, presente como atleta em todas as 25 edições da Superliga
    Créditos: Divulgação Sesi Vôlei Bauru

    Redação

    O Sesi Vôlei Bauru estreia nesta sexta-feira, 16/11, na Superliga 2018/2019 diante do Hinode/Barueri, às 19h30, no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru (SP). A equipe inicia as disputas da principal competição do voleibol nacional credenciada pelo inédito título do Campeonato Paulista, conquistado recentemente de maneira invicta com nove vitórias em nove jogos.

    O elenco, comandado pelo técnico Anderson Rodrigues, não terá mudanças e será o mesmo que venceu o Estadual de forma incontestável com as levantadoras Fabíola, Naiane e Iarla, as ponteiras Palacio, Vanessa Janke, Edinara, Gabi Candido, Glayce e Kimberlly, as centrais Valquiria, Saraelen, Andressa Picussa e Lara, as opostas Valentina Diouf e Tifanny e as líberos Tássia, Arlene e Júlia.

    A expectativa é que a equipe possa fazer campanha capaz de superar as duas últimas participações na Superliga, quando, ainda disputando somente como Vôlei Bauru, classificou-se às quartas de final e foi eliminada, respectivamente, por Minas e Praia Clube.

    Mas o caminho para tentar cumprir essa missão promete ser bastante árduo, uma vez que a temporada 2018/2019 da Superliga se inicia com a expectativa de ser uma das mais equilibradas dos últimos tempos. “Esperamos uma competição de altíssimo nível e bastante equilibrada”, analisa o técnico Anderson Rodrigues.

    Presente como atleta em todas as 25 edições da Superliga e exemplo de longevidade no esporte, a líbero Arlene também corrobora com a opinião de que a temporada 2018/2019 será bastante parelha. “Penso também que essa Superliga será uma das mais equilibradas dos últimos anos, principalmente por muitas equipes contarem com atletas estrangeiras, que vieram para abrilhantar ainda mais a competição. Creio que tecnicamente e taticamente todas as equipes estarão muito bem preparadas, mas que se destacarão os times com melhor desempenho tático e emocional. Porque chega uma hora em que todos já se conhecem e o emocional contará muito, além da recuperação física, que será primordial para quem conseguir chegar mais longe”, destaca a experiente jogadora, que completará 49 anos no próximo mês.

    Arlene também diz esperar, ainda, possíveis surpresas na campanha de algumas equipes e defende a implantação do sistema de “desafio” durante toda a competição a partir da temporada 2019/2020. “Minha expectativa é que esse ano a Superliga venha com mais brilho e com mais nível técnico e tático, até porque estamos ganhando um aliado para ajudar a arbitragem, que é o sistema de desafio a partir das semifinais que espero que na próxima temporada seja implantado em todo o decorrer da competição. Também acredito que essa Superliga haverá grandes surpresas em relação às equipes e que ela possa revelar grandes talentos colaborando para nossa renovação na seleção brasileira”, conclui a líbero.

  • Superliga Cimed 2018/2019 feminina: BRB/Brasília faz sua estreia contra o Minas

    Créditos: Divulgação Brasília Vôlei

    Redação

    O caminho do Brasília Volêi na Superliga Feminina já está traçado. Nesta temporada, o time da capital federal faz sua estreia contra a tradicional equipe do Minas, nesta sexta-feira, 16 de novembro, às 20h, no ginásio Sesi de Taguatinga.

    Não será um começo fácil para o time brasiliense. O Minas chegou à semifinal da Superliga passada, está classificado para o Mundial deste ano, manteve a base e trouxe seis reforços. Entre eles, duas jogadoras da Seleção Brasileira: as ponteiras Natália e Gabi.

    Já o Brasília começa um trabalho praticamente do zero, a começar pela comissão técnica. Desde 2013 na elite do voleibol brasileiro, o time candango sempre teve como comandante Sérgio Negrão. Agora, Hairton Cabral, com passagem pelas categorias de base da Seleção Brasileira, é quem assume a responsabilidade de levar o time de volta aos playoffs.

    O desempenho do ano passado não foi satisfatório. Um décimo lugar, de 12 equipes, deixou o time fora do mata-mata e muito próximo de um rebaixamento. O sinal de alerta foi ligado e o elenco foi remontado: dez jogadoras foram contratadas.

    Entre as novidades estão a central Angélica e a atacante Renata Colombo. Uma jogou no Sesi na temporada passada, já a outra defendeu as cores do Fluminense. Na sequência da competição, o Brasília encara o Sesc, no Rio de Janeiro, e depois recebe o Praia Clube.

  • Carioca 2018 feminino: Fluminense bate o Flamengo e está na final

    Créditos: Mailson Santana/FFC

    Redação

    O Fluminense está na final do Campeonato Carioca de Vôlei. Neste sábado, 10, o Tricolor venceu o Flamengo em casa por 3 sets a 1 (25/14, 22/25, 25/15 e 25/15) e enfrenta o Sesc-RJ nesta segunda, 12/11, no Tijuca Tênis Clube, às 20h. Com o apoio da torcida que lotou o ginásio João Coelho Netto e empurrou a equipe até o último ponto. 

    “O campeonato é curto, mas acho que o grupo foi se encaixando e as vitórias vieram. Contra o Flamengo faltou um pouco de paciência no segundo set e eles acabaram levando. Depois nos acertamos em quadra e tudo melhorou. Tínhamos mais consistência”, disse a central Lara Nobre, que completou:

    “Não creio que exista um favorito ao título. As duas equipes se enfrentam de igual para igual e certamente vai ser uma grande final”.

    O jogo: 

    Thaisinha abriu o marcador para o Fluminense, que se mostrava tranquilo em quadra, enquanto o Flamengo, com problemas na recepção, errava muito. Tudo funcionava para a equipe das Laranjeiras. Do paredão formado por Letícia Hage e Joyce no bloquei,o ao contra-ataque de Pri Daroit e os saques poderosos de Thaisinha, o Flu segurou a vantagem até o fim do primeiro set: 25/14.

    Disputado, o segundo tempo começou com o Flamengo mais atento em quadra. Letícia Hage marcava bem as rivais, que encostaram no placar (6 a 6), mas viram Lara Nobre, em noite inspirada, tirar a diferença. O jogo continuou acirrado, até que as rubro-negras assumiram a liderança. Pri Daroit deixou novamente tudo igual (18 a 18). O Flu reagiu, mas o Flamengo levou a melhor por 25/22.

    O Fluminense começou o terceiro set puxado pelos pontos marcados por Pri Daroit. Joyce e Lara na rede seguravam o Tricolor na vantagem. Quando o Time de Guerreiras abriu 7 pontos de diferença (16 a 9), boa parte deles comandados por Letícia Hage no saque, o Flamengo pediu tempo, que não surtiu efeito. Não demorou muito para a equipe das Laranjeiras disparar na frente com um contra-ataque que desarmava as rivais e levar mais um: 25/15.

    Pra fechar, o Flu não teve dificuldade. O último tempo mostrou o brilho da equipe que chega à final invicta. Thaisinha, Pri Daroit e a incansável Joycinha sobravam em quadra e mostravam domínio da partida. O time teve a segurança necessária na troca de passes, bons saques, bloqueava bem e se destacava ainda mais pela união em quadra. O Flamengo se desesperou e não conseguiu reagir. Vitória do Fluminense por 25/15.

    Com a melhor campanha das quatro equipes que participaram do campeonato, o Fluminense venceu o Botafogo na estreia por 3 a 0, em seguida bateu o Sesc-RJ no tie-break e chega à final em primeiro lugar após superar o Flamengo. O jogo que definirá quem é o melhor do Rio no voleibol feminino não terá venda de ingressos. A torcida tricolor pode retirar um ticket pessoa em qualquer uma das 18 unidades do Sesc-RJ a partir das 10h deste domingo, dia 11/11, mediante doação de 2kg de alimento não perecível (clique AQUI). No dia da partida, havendo disponibilidade, a troca poderá ser feita no Tijuca Tênis Clube. O Sportv2 transmitirá o confronto ao vivo.