• Copa Pan-Americana feminina: Brasil estreia com vitória sobre o México

    Bruna Honório marcou 16 pontos na vitória sobre o México
    (Créditos: Divulgação/NORCECA)

    Redação

    A seleção B feminina brasileira de voleibol deu início à campanha na Copa Pan-Americana com resultado positivo, em Santo Domingo. Na tarde deste domingo (08/07), as meninas do Brasil levaram a melhor sobre o México por 3 sets a 0 (25/21, 25/19 e 25/17), no Pavilhão Ricardo Arias.

    O time brasileiro mostrou força no bloqueio com 11 pontos no fundamento. O destaque individual ficou por conta da oposta Bruna Honório que marcou 16 vezes e terminou como maior pontuadora do confronto.

    Com a palavra:

    Dani Lins, levantadora do Brasil:  “Sabíamos que seria um jogo difícil, o México têm jogadoras excelentes, como a nº 12 (Samantha Bricio) entre outras. Mas, para o primeiro jogo acho que foi um bom começo para nós”, concluiu a levantadora.

    Ricardo Ponce, técnico do México:   “Estou satisfeito, porque para muitas das minhas jogadoras, esse foi o seu primeiro jogo internacional. Os sets foram muito próximos, principalmente de um time como o Brasil”, disse o treinador mexicano.

    A equipe brasileira entrou em quadra com Bruna Honório, Dani Lins, Thaísa, Fran, Edinara, Maira e a líbero Tássia. Entraram Claudinha e Lorenne Geraldo.

  • Destaques da última temporada retornam ao São José Vôlei

    Créditos: Divulgação São José Vôlei

    Fonte: Renato Belinelli – NTZ Comunicação e Marketing

    O São José Vôlei anunciou nesta última semana, a contratação de mais quatro jogadores para a disputa da temporada 2018/2019, são eles: Guilherme Schein (ponteiro que estava no Mechmech – Líbano), Juarez Gomes (ponteiro que estava no Hapoel Kfar Saba – Israel), Frank da Silva (central que estava no UPS Brasília/DF) e Renan Levandoski (central que estava no Monte Cristo/GO).

    Os atletas fizeram parte do elenco que conquistou o surpreendente 6º lugar no Campeonato Paulista e o 4º lugar na Taça Prata, com exceção do ponteiro Juarez que foi para voleibol israelense logo depois da disputa do estadual. O atleta inclusive destacou a torcida como um grande diferencial da equipe: “Sempre bom retornar para São José dos Campos, a torcida aqui é muito calorosa e está sempre nos apoiando seja dentro de quadra ou até quando encontra com a gente na rua, eles fazem a gente se sentir em casa”.

    Todos os jogadores tiveram resultados expressivos na última temporada após a passagem pelo São José Vôlei: os centrais Frank e Renan chegaram até os playoffs da Superliga B, o ponteiro Juarez conquistou o 3º lugar na Copa e no Campeonato Israelense e o ponteiro Guilherme conseguiu manter sua ex-equipe na principal divisão da Liga Libanesa.

    A grande diferença para os atletas em relação ao ano passado está na experiência do elenco, jogadores como Juarez e Renan chegaram na última temporada como os mais experientes de um elenco basicamente composto por jogadores do juvenil. “Este ano o formato do time é completamente diferente, a questão da experiência acabou fazendo a diferença em jogos decisivos, acredito que agora temos uma equipe com mais equilíbrio e rodagem no voleibol, o que nos faz mais fortes para esta temporada”, completou Renan.

    Jogos Abertos do Interior

    Os atletas Frank e Guilherme fizeram parte do elenco do São José Vôlei que conquistou a medalha de ouro nos Jogos Abertos do Interior no ano passado: “Foi uma experiência muito bacana encerrar o ciclo do juvenil com um título de expressão, participar da Equipe Adulta trouxe muita experiência para enfrentarmos os outros times sub21 o que nos ajudou nesta campanha”, afirmou o ponteiro. “Ter jogado pela Equipe Adulta não deixou as coisas mais fáceis, porém, esta oportunidade de enfrentar atletas de alto rendimento, fez com que elevássemos nosso nível de voleibol, pois a diferença é muito grande entre as categorias”, completou Frank.

    Foco na missão

    Para Juarez, o elenco está focado em levar o São José Vôlei de volta à elite do voleibol nacional: “O grupo está fechado no objetivo principal que é o acesso à Superliga, porém queremos fazer um bom campeonato e vamos pra cima de todos os adversários”.

  • Central Thaisa segue firme no Hinode Barueri

    Créditos: Gaspar Nóbrega/Agência Inovafoto

    Fonte: Danielle Marinho

    O Hinode Barueri está cada vez mais forte para a temporada 2018/19. Com o comando do técnico José Roberto Guimarães, a equipe anuncia oficialmente a renovação da bicampeã olímpica Thaisa Daher, de 31 anos. Thaisa está terminando a sua fase de recuperação da lesão no tornozelo, já começou a treinar mais forte e está confirmada na seleção que defenderá o Brasil na Copa Pan-Americana, em julho, na República Dominicana. Além dela, o Hinode Barueri já confirmou as levantadoras Dani Lins, Juma e Jacke Moreno; as atacantes Amandinha, Maira e Tai Santos; as centrais Vivian, Milka e Lays; a oposta Sara Dias e a líbero Natinha. O próximo desafio para o time paulista será a Copa São Paulo, prevista para julho. 

    A atleta, que joga na posição meio de rede, deve fazer parte da seleção brasileira que viaja para o Campeonato Mundial, em setembro. “É muito bom contar com a Thaisa pelo segundo ano no Hinode Barueri. Ela é uma jogadora experiente e tem uma carreira de sucesso. Na temporada passada, ela tratou sua lesão e fez um trabalho voltado para sua recuperação física. Ela voltou a jogar na parte final da última Superliga e é uma referência no nosso projeto. Temos um grupo homogêneo e a expectativa é fazermos uma excelente temporada”, comenta o técnico tricampeão olímpico, José Roberto Guimarães.

    Para Thaisa, seu maior objetivo é melhorar a cada dia para ajudar ao máximo o seu time. “Estou muito feliz por estar novamente com o Hinode Barueri. Dessa vez, com um pouco mais de tempo para me preparar e ajudar a equipe. Acho maravilhoso estar com a comissão técnica completa da seleção, até porque já trabalho com a maioria deles há mais de 12 anos. Eles me conhecem bem e eu também os conheço bem. Nada melhor que isso. Estou me empenhando muito para cada dia que passa eu ir reconquistando meu físico e meu ritmo de jogo. Sei que não é algo que volta assim, estalando os dedos. É um processo de muito treino, jogos, ritmo. Retomar tudo o que foi perdido nesse um ano e dois meses sem jogar. Sei que estou fazendo o meu melhor e o que tiver de ser, será”, diz a atleta.

    A central Thaisa fala ainda sobre o processo da sua recuperação. “Hoje tenho que ter mais cuidados e não exagerar. Ter cabeça no lugar e muita energia e pensamentos positivos. Preciso me manter sempre bem fisicamente.”

    Thaisa acertou sua rescisão contratual neste ano com o Eczacibasi Vitra, atual vice-campeão da Turquia.

  • Paranaense série B feminino: Caramuru Vôlei é o líder isolado da primeira etapa

    Vôlei Marechal x Caramuru Vôlei
    (Josi Schmidt/FPV)

    Fonte: Josi Schmidt/FPV

    Após uma rodada de apresentação no mês de maio, foi realizada neste fim de semana a primeira etapa do Campeonato Paranaense Adulto Série B feminino, em Ponta Grossa. Jogando em casa, o Caramuru Vôlei manteve a invencibilidade e é o líder isolado sem perder nenhum set na disputa. No último confronto da rodada dupla deste domingo (08.07), a equipe ponta-grossense somou 18 pontos após vitória sobre o Vôlei Marechal, na partida que encerrou em 3 sets a 0, com parciais de 25/16, 25/21 e 25/21. A competição, que teve início na sexta-feira foi realizada na Arena Multiuso.

    Após o confronto de encerramento, a capitã do Caramuru, Jéssica Massanik, comentou sobre a dedicação da equipe em abraçar o projeto que já é sucesso com o time masculino que disputa a Superliga agora pela cidade de Ponta Grossa.

    “O bom de estar no Caramuru é ter a honra de poder usufruir  da estrutura de um time de Superliga. Aproveitar o projeto como um todo, desde a comissão técnica, gestão de saúde e administrativa, todos nota 10, é um privilégio. Isso abraça a gente. São treinos intensos, em três períodos no dia para que o projeto possa crescer e colocar o nome do Caramuru em destaque também no feminino”, declarou a jogadora.

    O Vôlei Marechal, anfitrião da próxima etapa, segue na vice-liderança somando 12 pontos. Logo atrás está a PM Foz do Iguaçu/Pousada Cataratas, com 11 e o time de PM Toledo/Avotol, encostado com 10, na quarta posição. Completam a classificação da etapa a PM Imbituva, que marcou dois pontos na vitória sobre a AABB/Cascavel no tie-break.

    A competição é realizada em dois turnos, classificando as quatro melhores equipes para a final após duas etapas. A equipe campeã garante vaga na Séria A em 2019. A próxima etapa da competição acontece entre os dias 10 e 12 de agosto, em Marechal Cândido Rondon.

    CLASSIFICAÇÃO PARCIAL
    1º Caramuru Vôlei 18
    2º  Vôlei Marechal 12
    3º PM Foz do Iguaçu/Pousada Cataratas 11
    4º PM Toledo/Avotol 10
    5º PM Imbituva 2
    6º AABB/Cascavel 1

  • Paranaense adulto masculino: Toledo e São José dos Pinhais abrem vantagem

    Créditos: Ricardo Morante/FPV

    Fonte: Ricardo Morante/FPV

    A rodada deste domingo (08/07) do Campeonato Paranaense Adulto Série B masculino, realizada em Toledo, definiu quem vai com vantagem para a segunda etapa da competição em Francisco Beltrão. A PM Toledo/Avotol terminou as primeiras rodadas na liderança, com 15 pontos, seguida por São José dos Pinhais/UFPR – 11, PM São Miguel do Iguaçu – 8 e Maringá/Unifamma/Amavolei – 7. Os jogos foram realizados no Ginásio de Esportes Hugo Zeni.

    As primeiras equipes a entrarem em quadra na última rodada foram a ABV/Beltrão e a PM Colombo/Mambembe. Com uma vitória e uma derrota na rodada anterior, o time da região metropolitana, comandado pelo técnico José Vagner Leopoldino, precisava do resultado positivo. “Tínhamos que impor nosso ritmo de jogo e somar pontos para chegarmos com chances de classificação na próxima etapa”, disse. Os atletas entenderam o recado do técnico e fizeram 3 a 0, com parciais de 25/14, 28/26 e 25/18.

    Para os beltronenses, as três derrotas acumuladas em Toledo dificultaram a busca pela classificação. “Vamos esperar a tabela da próxima fase e tentar somar o maior número de pontos possíveis para garantir um lugar na fase final. Vamos corrigir algumas falhas e procurar aproveitar o fator casa”, disse o ponteiro Márcio Krasuski.

    No segundo confronto da rodada, o Maringá/Unifamma/Amavolei encarou o São José dos Pinhais/UFPR. Em jogo de cinco sets, os maringaenses iniciaram a partida vencendo a primeira parcial (25/20), mas perderam os dois sets seguintes (25/22 e 25/21). Maringá ainda tentou uma reação vencendo o quarto set (25/23), mas não resistiu e acabou cedendo o tie break (15/12).

    Confirmando a boa campanha, a PM Toledo/Avotol venceu seu confronto deste domingo por 3 a 0 (25/20, 25/23 e 25/15) e garantiu a ponta da tabela. O adversário, a Semesp/Arapongas, ocupa a sétima colocação. “Não estamos classificados matematicamente, mas os 15 pontos em cinco rodadas nos dá tranquilidade para jogar em Francisco Beltrão. Temos alguns ajustes na equipe, porém saio satisfeito desta etapa”, disse o técnico toledano André Van de Sand. O elenco segue invicto após cinco rodadas.  

    Outra partida muito disputada valia uma vaga entre os quatro melhores da tabela. A PM São Miguel do Iguaçu derrotou a PM São João do Ivaí por 3 a 2 (25/18, 18/25, 17/25, 27/25 e 15/12). Com o resultado, os são-miguelenses ficaram com a terceira colocação na classificação geral.

    Classificação Geral 

    1º PM Toledo/Avotol 15

    2º São José dos Pinhais/UFPR 11

    3º PM São Miguel do Iguaçu 8

    4º Maringá/Unifamma/Amavolei 7

    5º PM Colombo/Mambembe 6

    6º PM São João do Ivaí 6

    6º Semesp/Arapongas 4

    8º PM Ubiratã 2

    9º ABV/Beltrão 1

  • Campeão da Superliga B retorna ao São José Vôlei

    Créditos: Assessoria Pedro Luiz Putini

    Fonte: Renato Belinelli – NTZ

    O São José Vôlei anunciou nesta semana a contratação de mais um velho conhecido de sua torcida, trata-se do levantador Pedro Luiz Putini Filho, o Pedrinho, que já jogou 3 temporadas pela equipe com destaque para 2013/2014 na qual sagrou-se campeão da Superliga B, conquistando o acesso do time joseense para a elite do voleibol nacional. Além disso, ainda pela equipe valeparaibana, o levantador venceu o campeonato Paulista em 2013.

    Com 1,80m, nascido na cidade de Santo André (SP), Pedro iniciou sua carreira no voleibol no ano de 2001 em Mauá (SP) até chegar à base da equipe do Super Vôlei Santo André, na qual conquistou o campeonato paulista logo na temporada de estreia. O bom desempenho em quadra acabou chamando a atenção do São José Vôlei que contratou o jogador para atuar pela Equipe Juvenil no ano de 2012.

    O atleta que atuou na última temporada pelo Ushua Ibiza da Espanha, acabou conquistando a Superliga do país e disse já ter convivido em uma situação muito parecida com a que o São José Vôlei propõe na montagem do elenco deste ano: “o grupo era composto por dois brasileiros da minha geração, o que facilitou minha adaptação, o elenco era muito bom mais ou menos igual ao que o São José está montando nesta temporada, com metade dos jogadores mais jovens e metade mais experiente”.

    A expectativa do levantador é conseguir o acesso do São José Vôlei para a Superliga: “Sei que não vai ser fácil, pois o campeonato está mais forte neste ano, com equipes qualificadas, porém estamos todos focados em nosso objetivo e prometemos muita luta para atingi-lo”.

    Para Pedrinho, retornar a São José dos Campos é um momento especial: “Me sinto feliz em retornar para essa cidade aonde vivi 4 anos e tive bons momentos como jogador profissional, trabalhando com grupos muito bons, gosto muito daqui. Espero que a torcida compareça em peso no ginásio pois nossa equipe fará grandes partidas”, completou Pedro.

  • Vôlei Ribeirão enfrentará Campinas na estreia do Paulista e na Copa São Paulo

    Créditos: Rafael Gonçalves/FollowX Comunicação

    Fonte: FollowX Comunicação 

    As primeiras competições do São Francisco Saúde/Vôlei Ribeirão na temporada 2018/19 tiveram suas definições na tarde desta terça-feira (26/06), em reunião realizada na sede da FPV (Federação Paulista de Volleyball), em São Paulo. Atual campeão da Superliga B, o time ribeirão-pretano presidido por Lipe Fonteles terá o Vôlei Renata, de Campinas, como adversário inicial em dois torneios: a Copa São Paulo e o Campeonato Paulista.

    A primeira das duas competições estaduais será a Copa São Paulo, que será disputada em Pirassununga nos dias 4 (sábado) e 6 de agosto (domingo). A Copa será em sistema eliminatório e com apenas três jogos. O Vôlei Ribeirão enfrenta Campinas no dia 4, ainda sem horário definido, enquanto que Sesi-SP e São José fazem a outra disputa. 

    Já no Paulista, o primeiro jogo do Vôlei Ribeirão também será diante do Campinas, em partida agendada para o dia 11 de agosto, sábado, às 18h, no Ginásio Taquaral, em Campinas. Na segunda rodada, a equipe treinada por Marcos Pacheco recebe o São Bernardo – que está de volta ao Paulista -, às 16h, na Cava do Bosque. Em Ribeirão, na primeira fase, o Vôlei Ribeirão jogará três vezes às 16h de sábado e uma às 20h de quarta. No meio de semana será o jogo contra o Itapetininga, na reedição das finais da Taça Prata e da Superliga B, em que o Vôlei Ribeirão saiu vitorioso.

    Na reunião desta terça, o Vôlei Ribeirão foi representado por Dado Baptista, supervisor, Rafael Gonçalves e Fabiano Ribeiro, do departamento de comunicação. “Claro que não há jogo fácil no Paulista. Dos dez times, seis são da Superliga A. E apesar de a tabela ser dirigida, uma vez que a classificação do último campeonato determina a ordem e jogaremos quatro em casa e cinco fora, a tabela ficou legal”, opinou Dado. O Vôlei Ribeirão fará cinco viagens na fase inicial: para Campinas, Taubaté, Guarulhos, Atibaia e São José dos Campos. Os oito melhores avançam para as quartas de final.

  • Leandro Vissotto chega ao EMS Funvic Taubaté para a temporada 2018/2019

    Créditos: Divulgação FIVB

    Fonte: Ronaldo Casarin – Maxx Sports

    O carioca Leandro Vissotto, 35 anos, carrega um currículo invejável, com mais de uma dezena de clubes por onde passou ao redor do mundo, em países como Japão, Itália, Qatar e Rússia, tendo levantado troféus em todos eles. Mas por aqui, em solo brasileiro, ainda busca um título para sua vasta coleção: o da Superliga.

    “Eu sonho sempre em vencer a Superliga, que para mim é um título ainda inédito. Minha irmã, que jogou vôlei e foi campeã da Superliga às vezes brinca comigo, dizendo que eu já ganhei tanta coisa, campeão mundial, europeu, campeão na Rússia, campeão no Japão, campeão na Itália, mas no Brasil nunca fui”, comenta o oposto.

    Pela primeira vez vestindo a camisa da EMS Taubaté Funvic, Vissotto está muito animado em iniciar mais uma temporada no voleibol, e agora defendendo uma das camisas mais representativas da modalidade na atualidade.

    “Sem dúvida o motivo de eu ter acertado minha transferência para Taubaté é o projeto como um todo. Não só pela qualidade dos jogadores, mas por como a cidade abraçou o time, e por quem está por trás do projeto. O Taubaté é um time que quer fazer a diferença e vai brigar pelo título da Superliga. Os gestores da equipe, o Prefeito, todos estão com esse foco, e a possibilidade de estar num time que brigará por títulos, são os motivos da minha chegada”, diz.

    Acostumado a encarar a barulhenta torcida taubateana, ele se mostra animado em agora ter a galera ao seu lado. “A torcida é um show à parte, ginásio sempre lotado, muita energia dessa galera, especialmente nos jogos mais importantes. É uma força a mais do nosso lado para brigarmos pelos títulos na temporada”, comentou.

    Sendo um dos mais experientes jogadores em atividade no vôlei brasileiro, Vissotto, que entre seus muitos títulos carrega o de Campeão Mundial com o Brasil em 2010, e a medalha de Prata nas Olimpíadas de Londres 2012, não terá dificuldades em se entrosar com seus novos companheiros de equipe. “Já joguei com o Rapha no Trentino por dois anos, onde conquistamos muitos títulos. Lucão e Lucarelli também são companheiros de longa data na seleção”, disse Vissotto.

    Sobre o elenco taubateano para a temporada 2018/2019, o oposto não poupa elogios: “Teremos um elenco com ótimos jogadores, e boa parte eu já conheço. São pessoas de caráter, comprometidas com o crescimento da equipe e tenho certeza de que todos vão se entregar. Para mim é também uma responsabilidade estar nesse elenco, e por onde passei, tive essa satisfação de estar ao lado de atletas que querem vencer”, afirma.

    Leandro Vissotto se apresenta ao Taubaté na primeira semana de julho, e já deixa um recado para a torcida que o aguarda: “O torcedor pode esperar um jogador que vai buscar todos os títulos, que vai se entregar totalmente ao time e que chega com vontade de ser campeão e de fazer história na cidade de Taubaté”.

    O elenco da EMS Taubaté Funvic segue em férias, e a reapresentação geral está agendada para 02 de julho.

  • Mundial Vôlei de Praia: Oscar e Luciano vencem a etapa de Manavgat, na Turquia

    Luciano e Oscar fatura etapa da Turquia 2018
    (Créditos: Divulgação/FIVB)

    Redação

    O Brasil subiu mais uma vez ao lugar mais alto do pódio no Circuito Mundial de vôlei de praia 2018. Oscar e Luciano (RJ/ES) venceram neste sábado (23/06) os dinamarqueses Kristoffer Abell e Daniel Thomsen por 2 sets a 0 (21/14, 23/21), em 44 minutos de jogo, conquistando a etapa de uma estrela disputada em Manavgat, na Turquia.

    É o oitavo ouro de duplas brasileiras na temporada 2018 (17 medalhas no total), o segundo de Luciano, que já havia vencido a etapa uma estrela de Miguel Pereira (RJ). Pela conquista, os campeões somam 200 pontos no ranking geral do tour e recebem uma premiação de cerca de R$ 3,7 mil. 

    Horas antes da decisão, ainda neste sábado, eles haviam superado na semifinal os holandeses van der Ham e Sven Vismans, por 2 sets a 0 (21/18, 21/17). A campanha dos brasileiros na Turquia contou com cinco vitórias em cinco jogos, e apenas um set perdido em todo torneio.

    Foi a primeira vez que Manavgat sediou uma etapa do Circuito Mundial 2018. A cidade fica na da província de Antália. 

    Torneio duas estrelas:

    No torneio duas estrelas de Singapura, Arthur Lanci e Márcio Gaudiê (PR/RJ) acabaram eliminados nas quartas de final ao serem superados pelos indonésios Mohammad Ashfiya e Candra Rachmawan por 2 sets a 0 (21/18, 22/20), em 45 minutos, terminando na quinta colocação do torneio. A posição rende 240 pontos no ranking do tour e R$ 3,7 mil em prêmios para o paranaense e o carioca.

  • Liga das Nações masculina: Em ritmo lento, Brasil é superado pela Argentina

    Bruno Lima foi um dos destaques da Seleção Argentina
    (Créditos: Divulgação/FIVB)

    Redação

    O Brasil enfrentou a Argentina pela última rodada da Liga das Nações de vôlei masculino e acabou derrotado por 3 a 0, parciais de (23/25, 22/25 e 21/25), na Hisense Arena, em Melbourne, na Austrália, neste domingo (24/06). A derrota refletiu o pouco tempo de descanso que a seleção brasileira teve, uma vez pouco mais de 12 horas antes, havia enfrentando a Polônia. A derrota, contudo, não altera em nada, pois a equipe  já estava classificada para a próxima fase.

    Agora, a delegação brasileira segue ainda neste domingo para o Brasil, onde ficará na próxima semana. A seleção se apresenta ao Centro de Desenvolvimento de Voleibol (CDV), em Saquarema (RJ), na quarta-feira (27/06) e viaja no sábado (30/06) para Lille, na França, onde será disputada a Fase Final da Liga das Nações, entre os dias 4 e 8 de julho.

    Com a palavra:

    Julio Velasco, técnico da Argentina:  “Estou muito feliz em terminar a Liga das Nações de Voleibol com duas vitórias. Ganhar do Brasil é muito importante. É uma das melhores equipes do mundo e uma vitória nesse derby, é importante para nosso crescimento e confiança antes do Campeonato Mundial. Viajamos muito, mas os nossos jogadores tiveram uma condição mental muito boa. Eles nunca reclamaram e não mostraram que estavam cansados. Continuaram lutando mesmo em situações difíceis. Tentaram o melhor e isso foi o mais importante ”, concluiu Velasco.

    Renan Dal Zotto, técnico do Brasil:   “Foi um dia ruim, infelizmente. Nós jogamos bem abaixo das expectativas. Num torneio difícil como este, que envolve muitas viagens, tivemos que poupar alguns jogadores principais, já que esta etapa estava prestes a terminar. Pensamos em evitar lesões e deixar todos em condições para a fase final”, finalizou Renan.

    O JOGO

    A Argentina começou melhor, mas logo o Brasil empatou, (3/3). Embora em ritmo lento, a equipe brasileira conseguia se manter à frente do placar, chegando a ter quatro pontos de vantagem, 19/15. O técnico argentino resolveu mexer na equipe e o Brasil viu a Argentina crescer, virar o jogo e fechar o primeiro set em 25 a 23.

    O segundo set começou equilibrado. Embora a equipe brasileira se destacava com dois pontos a frente, logo ficou igual em (12/12), mas os brasileiros abriram dois em 14/12 e, depois, em 15/13. A equipe brasileira porém, abusava dos erros e aproveitando-se disso, a Argentina fechou o set em 25 a 22.

    No terceiro set, a equipe brasileira chegou na primeira parada técnica com três pontos a frente, 8/5. Até a metade da parcial, a equipe brasileira conseguia se manter na frente, 15/12. Mas, a desatenção brasileira fez com que na reta final do set, a Argentina crescesse, e conseguisse fechar em 25 a 20.