Notícias

Sul-Americano de clubes feminino: Camponesa/Minas vence Sesc RJ e fica com o título

por: Pedro - Redação

0
Créditos: Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Redação

O Camponesa/Minas é campeão do Sul-Americano de clubes feminino. A equipe mineira venceu, neste sábado (24.02), o Sesc-RJ na decisão por 3 sets a 2 (25/23, 22/25, 25/23, 15/25 e 15/9), na Arena Minas, em Belo Horizonte. O time mineiro terminou a competição com cinco vitórias em cinco jogos e garantiu vaga no Mundial de clubes que será disputado na China. Foi o terceiro título das mineiras na competição. 

Com a palavra:

Carol Gattaz, central do Camponesa/Minas:  “Não consegui dormir de ansiedade. Pensei no jogo a noite toda e no que a gente precisava fazer para vencer o Rio, que destaco sempre: é um time a ser batido! Hoje, felizmente, conseguimos fazer tudo certo e garantimos o título. Comentemos alguns errinhos, que são normais durante os jogos, mas, a união da nossa equipe, fez a diferença. Tivemos a baixa da Hooker e Mayany, nesta semana, mas conseguimos preencher as posições delas. Digo e repito: a união do nosso time, ganhou o campeonato”, concluiu a jogadora.

Stefano Lavarini, técnico do Camponesa/Minas:  “O nosso time está muito unido. Se uma jogadora erra, a outra ajuda a corrigir e, assim, ganhamos o título. Estou muito feliz por ver que o time está fazendo o que a gente treina. Trabalhamos muito forte e estamos colhendo os frutos. E não acabou. Vamos voltar aos trabalhos que a Superliga continua”, destacou Lavarini.

O JOGO

O Sesc RJ fez os três primeiros pontos do jogo. Bem no saque, as cariocas abriram seis pontos (8/2). Com uma bola rápida da central Juciely, o time carioca manteve a vantagem no marcador (15/9). O time mineiro cresceu de produção, encostou no placar (16/14) e o treinador Bernardinho pediu tempo. Bem no bloqueio, as mineiras viraram o marcador (17/16). O final da parcial foi disputado ponto a ponto e o Camponesa/Minas venceu o primeiro set por 25/23. 

O Camponesa/Minas começou melhor no segundo set e fez 5/1. Numa largada da oposta Rosamaria, o time mineiro fez 8/4. Com uma boa sequência de saques da central Juciely, o Sesc RJ encostou no marcador (8/7). A central Mara também conseguiu uma boa sequência de saques e o time mineiro abriu cinco pontos (14/9). Bem no bloqueio e o no saque, as cariocas empataram (14/14). A parcial ficou disputada ponto a ponto. Com volume de jogo, as cariocas abriram dois pontos (18/16). A ponteira Pri Daroit fez um ponto de saque e as mineiras encostaram no marcador (21/20). O Sesc RJ foi melhor no final da segunda parcial e venceu o segundo set por 25/22. 

Com Mara bem no saque, o Camponesa/Minas fez 5/1 no início do terceiro set. Se aproveitando dos erros das mineiras, o time carioca virou o marcador (8/6). A parcial ficou disputada ponto a ponto. A ponteira Drussyla explorou uma bola no bloqueio e as cariocas abriram dois pontos (19/17). Com dois pontos seguidos de saque da levantadora Macris, o Camponesa/Minas virou o marcador (20/19). O final da parcial foi emocionante e o time de Belo Horizonte levou a melhor por 25/23. 

O Sesc RJ voltou melhor para o quarto set e fez 5/2. Drussyla se destacava no ataque e as cariocas abriram três pontos (11/8). Se aproveitando dos erros das mineiras, o time carioca fez 15/9. Numa boa sequência de saques da oposta Monique, o Sesc RJ aumentou a vantagem no placar para oito pontos (18/10). O time carioca segurou a vantagem até o final e venceu a parcial por 25/15. 

O Camponesa/Minas começou melhor o tire-break e fez 8/3. As cariocas cresceram de produção e o treinador Stefano Lavarini pediu tempo (8/5). A levantadora Macris usou com eficiência as centrais Mara e Carol Gattaz e o time mineiro venceu o set por 15/9 e o jogo por 3 sets a 2. 

Equipes:

Camponesa/Minas: Macrís, Rosamaria, Carol Gattaz, Mara, Newcombe, Pri Daroit e a Léia (líbero). Entraram: Karol Tormena, Hooker, Karine e Natália. Técnico: Stefano Lavarini.

Sesc-RJ:  Roberta, Monique, Drussyla, Gabi, Mayhara, Jucyele e Fabi. (líbero). Entraram: Peña, Carol Leite e Kasiely. Técnico: Bernardo Rezende.

Leave a comment